Vladimir Safatle – Aula 5/30 – ‘Fenomenologia do Espirito’, de Hegel

Curso Hegel

Aula cinco

 

 Continuamos hoje com a leitura da Introdução à Fenomenologia do Espírito. Na aula passada, comentei os quatro primeiros parágrafos da Introdução. Eu havia insistido com vocês que a Introdução já começa por tematizar diretamente uma experiência filosófica que será o motor da experiência fenomenológica do saber. Ela diz respeito àquilo que pode ser chamado de “modificação da gramática filosófica”. Para que haja uma ciência da experiência da consciência, faz-se necessário uma profunda mudança na gramática filosófica que suporta a consciência que procura apreender cientificamente tal experiência. Por “gramática filosófica” podemos compreender o conjunto de pressupostos não problematizados que serve de orientação para o pensar e para a constituição de seus modos de encaminhamento. De uma certa forma, ela é o campo de pressuposições de uma sintaxe para o pensar, campo este tão naturalizado que normalmente aparece ao pensar como uma “representação natural”.

         Vimos, então, como Hegel procurava partir da necessidade de problematizar aquilo que se colocava em seu tempo como representação natural do pensar. Criou-se um modo natural de pensar que produz certas convicções, começava afirmando Hegel. Parece natural, por exemplo, ver no conhecer ou um instrumento ativo de transformação da Coisa ou um meio passivo de participação com a Coisa. Parece também natural compreender o erro como uma inadequação entre pensar e o ser resultante de postulados equivocados do pensar. Tais representações naturais chegam a determinar que entre o conhecer e o absoluto passa uma nítida linha divisória, como se o objeto do conhecer humano fosse, naturalmente, o que é finito. Vimos ainda como, para Hegel, esta representação natural do pensar era, na verdade, uma figura da filosofia kantiana. O que não deve nos estranhar se lembrarmos que Hegel compreende a filosofia kantiana como reflexão filosófica da essência da modernidade com suas cisões e impasses.

         Partindo deste ponto, tentei mostrar para vocês como Hegel compreendia filosofia kantiana como operação filosófica dependente do que podemos chamar de “gramática da finitude”. Ao reconstituir alguns traços gerais da experiência intelectual kantiana, segundo Hegel, vimos como tratava de insistir que a estratégia kantiana de reconhecer que a experiência refere-se apenas a fenômenos, e não a coisas em-si, que se mantém para nós incognoscíveis implicaria em uma absolutização do finito. Tal perspectiva só é capaz de admitir que tem realidade objetiva aquilo que se submete à condição de objeto finito, intuído no espaço e no tempo e categorizado pelo entendimento. Por isto, Hegel insistirá: “Kant nunca levantou a menor dúvida sobre o fato do Entendimento ser o absoluto do espírito humano, ele é, ao contrário, a finitude da razão humana fixada de maneira absoluta e  insuperável”[1]. Ou seja, esta figura do conhecimento absolutiza o finito por distinguir finito e absoluto a fim de afirmar que o conhecimento que está fora do absoluto ainda pode aspirar validade. Como se aceitássemos “um conhecimento em geral que, embora incapaz de apreender o absoluto, seja capaz de outra verdade”. Tudo se passa como se o finito fosse assegurado em uma dimensão autônoma que lhe fosse própria. Defender a partilha ontológica entre o finito e o infinito e, mesmo assim, afirmar que o finito é, que ele tem um ser que lhe é próprio que reina soberano no interior do saber, eis o que Hegel não pode aceitar; até porque, diferenciar é conhecer, e só posso dizer que o finito não tem parte com o infinito ao assumir uma perspectiva externalista em relação ao que parece aparecer como limites da min há linguagem. Ao contrário, Hegel quer mostrar que o finito é apenas um erro gramatical que desaparecerá quando a consciência for capaz de tematizar aquilo que aparece na experiência para além do que o que pode ser representado pelo entendimento. Daí porque: “o expor a contradição dentro do finito é um dos pontos essenciais do método especulativo dialético”[2]. Hegel sempre insistirá neste ponto: não há como a consciência assegurar-se de que ela está exilada de uma experiência da ordem do incondicionado e do absoluto.

         Mas como a consciência pode saber estar diante do incondicionado ou do absoluto? Sabemos que Hegel descarta a hipótese de Schelling a respeito do absoluto como plano de imanência, indiferenciação originária entre sujeito e objeto acessível através de uma intuição intelectual pré-reflexiva. Para Hegel, há um saber do absoluto, no entanto, devemos lembrar que o absoluto não é aquilo que se dá na origem, mas é aquilo que se constitui no interior de uma trajetória de experiências. Não há uma revelação do absoluto, mas, de uma certa forma, uma produção do absoluto. Proposição paradoxal pois pode parece querer dizer que a consciência eleva o que se dá no interior do seu campo determinado de experiência à condição de absoluto. Ainda mais se lembrarmos do que eu havia dito na aula passada a respeito do “holismo semântico” que aparece como pressuposto da nova gramática filosófica que Hegel vê como condição necessária para o advento do sabe fenomenológico. Holismo semântico que consiste em dizer que o conhecimento das relações é condição suficiente para a determinação do conteúdo da experiência.

         Eu havia dito a vocês que, para Hegel, o conhecimento das relações não pode se dar previamente à experiência, como se fosse questão de uma dedução transcendental das estruturas possíveis de relação sob a forma de categorias. O conhecimento das relações é o fato da experiência, ou seja, só através dela podemos conhecer relações. No entanto, ainda não sabemos o que Hegel entende por “relação”. Este é um ponto central já que quem diz “relação” diz necessariamente “identidade e diferença”: categorias que são os alvos primeiros de problematização do pensamento dialético.

         Voltaremos a esta questão. Por enquanto, podemos colocar uma outra questão. Pois ao afirmar que o conhecimento das relações é o fato da experiência parece que esquecemos que só há experiência porque há uma pressuposição prévia de estruturas de relações. Sem elas, não seríamos capazes sequer de o diverso da intuição sensível sob o nome de “objeto”. Afirmar estar diante de um objeto já pressupõe uma capacidade comparativa e diferenciadora que só se adquire ao postularmos relações.

“O caminho da dúvida ou, com mais propriedade, o caminho do desespero”

 

         Hegel tem clara consciência disto, por isto, a Fenomenologia do Espírito deve partir das representações naturais do saber da consciência. Ela deve partir do exame das tentativas da consciência de atualizar suas estruturas de relações na experiência. É neste sentido que podemos compreender o início do parágrafo 78:

A consciência natural vai mostrar-se como sendo apenas conceito do saber, ou saber não real (nich reales Wissen). Mas à medida que se toma imediatamente por saber real, esse caminho tem para ela antes significado (Bedeutung) negativo: o que é a realização do conceito vale para ela antes como perda de si mesma, já que nesse caminho perde sua verdade[3].

“A consciência natural é apenas conceito do saber”. Como facilmente percebemos, esta afirmação tem conotação claramente negativa. Ser apenas conceito significa aqui “não ser saber da efetividade”. No entanto, como ela toma imediatamente  e previamente seu conceito de saber por saber da efetividade, a realização do conceito de saber, ou seja, a tentativa de efetivá-lo através da experiência será necessariamente um fracasso. Não um simples erro, mas uma perda radical daquilo que para a consciência aparece como verdade. Ou seja, Hegel terá que mostrar como o objeto da experiência está necessariamente em descompasso não em relação a um saber realizado tal como ele apareceria para nós, consciências que apreendem todo o trajeto fenomenológico da experiência, mas em relação à própria representação natural do saber. Podemos dizer assim que o primeiro passo para saber fenomenológico é a compreensão de que a representação natural do saber enquanto estruturas de relações deve fracassar na sua tentativa de dar conta da experiência. No entanto, este fracasso não deve ser apenas inadequação regional do saber ao objeto, mas negação absoluta da gramática filosófica que suporta as figuras naturais do saber. Daí porque Hegel afirmará:

Esse caminho [de tentativa de realização do conceito natural de saber] pode ser considerado como o caminho da dúvida (Zweifeln) ou, com mais propriedade, caminho do desespero (Verzweilflung); pois nele não ocorre o que se costuma entender por dúvida: um vacilar nessa ou naquela pretensa verdade, seguindo de um conveniente desvanecer-de-novo (Wiederverschwinden) da duvida e um regresso àquela verdade, de forma que, no fim, a Coisa seja tomada como era antes. Ao contrário, essa dúvida é a penetração consciência na inverdade do saber fenomenal (erscheinenden Wissen): para esse saber, o que há de mais real (Reellste) é antes somente o conceito irrealizado[4].

Hegel apresenta aqui uma dicotomia prenhe de conseqüências entre dúvida e desespero. Podemos perceber claramente que Hegel, ao falar de uma dúvida que regressa à Coisa tal como era antes, faz alusão à dúvida metódica cartesiana, ou seja, a esta disposição em:  “desfazer seriamente uma vez na vida todas as opiniões até então recebidas em minha crença e começar tudo de novo desde os fundamentos, isto se eu quiser estabelecer algo de firme e constante nas ciências”[5]. A dúvida é assim o ponto de partida em direção a um fundamento que se apresenta como solo firme da ciência. Sua medida é a clareza e a distinção da certeza subjetiva da pura forma do pensar do Eu. Clareza e distinção que aparecem como medidas indubitáveis do saber e seriam índices de uma “intuição imediata e revelação interior”[6]. Hegel insiste que este “propósito de não se entregar na ciência à autoridade do pensamento alheio, e só seguir sua própria convicção”[7] não toca no ponto central: o modo com que a verdade manifesta-se a um pensar submetido às regras sintáticas de clareza e distinção próprias às representações do entendimento.

         Contra esta figura da dúvida, Hegel insiste que a consciência deve experimentar algo da ordem do desespero. Neste contexto, “desespero” indica não só a fragilização absoluta das imagens do mundo (isto já podemos encontrar na primeira meditação de Descartes), mas o colocar em questão as bases da gramática que sustentava o pensar da consciência natural e seu modo de estruturar relações. Este desespero não é assim apenas a fragilização das imagens do mundo, mas também fragilização da certeza de si e, fundamentalmente, dos modos de orientação do pensar – o que implica em um trabalho do negativo muito mais profundo do que a simples dúvida a respeito da adequação de nossas representações. De fato, podemos defender Descartes desta crítica hegeliana lembrando que a figura do gênio maligno já implica em uma suspensão dos modos de orientação do pensar já que até mesmo as certeza da matemática e da adequação das representações ao mundo são postas em dúvida. Se lembrarmos de um texto hoje clássico de Derrida, Cogito e história da loucura, poderemos dizer que esta dúvida já é desespero por impedir que o sujeito esteja certo de não ser louco, já que a figura do gênio maligno suspende o sujeito de toda e qualquer certeza substantiva. No entanto, podemos lembrar novamente que, para Hegel, um ponto fundamental permanece. Em momento algum a consciência duvida de que o pensar é uma questão de dispor de representações e que a clareza e a distinção são critérios para a orientação do pensar. O desespero hegeliano, no entanto, quer ir até este ponto. Daí porque Hegel pode afirmar:

Seguir sua própria opinião [Überzeugung – convicção] é, em todo o caso, bem melhor do que se abandonar à autoridade, mas com a mudança [Verkherung – inversão] do crer na autoridade para o crer na própria convicção, não fica necessariamente mudado o conteúdo da convicção [já que não se trata de um problema de autonomia ou de heteronomia do pensar, mas de um problema de conjugação de uma gramática filosófica naturalizada, ou seja, de um problema do pensar como conteúdo para si mesmo]; nem fica a verdade introduzida em lugar do erro[8].

Desta forma, o desespero, ou ainda a angústia (Angst), aparece para Hegel como condição necessária para a consciência entrar neste saber fenomenológico que é modo de manifestação do espírito em direção ao saber de si. Aqui, entretanto, uma distinção deve ser feita. Ao confrontar-se com o desespero, a consciência pode simplesmente aferrar-se à crença e à certeza absoluta de si de maneira tal que nenhuma dúvida possa doravante colocar o saber em movimento. Ela “pode recuar e tentar salvar o que está ameaçada de perder”[9]. Neste sentido, ela defende-se do desespero através da loucura. Mas se a consciência for capaz de compreender a negatividade que ela sentiu ao ver a fragilização de seu mundo e de sua linguagem  como manifestação do espírito, deste espírito que só se manifesta destruindo toda determinidade fixa, então a consciência poderá entrar no ritmo do saber fenomenológico. Neste sentido, podemos mesmo dizer que, para Hegel, só é possível se desesperar na modernidade, já que ele é a experiência fenomenológica central de uma modernidade disposta a problematizar tudo o que se põe na posição de fundamento para os critérios de orientação do julgar e do agir.

Mas se voltarmos ao parágrafo 78, veremos Hegel definir este desespero como caminho em direção à realização do saber como “ceticismo que atingiu a perfeição (vollbringende Skeptizismus)”, um “ceticismo que incide sobre todo o âmbito  da consciência fenomenal [e] torna o espírito capaz de examinar o que é verdade, enquanto leva a um desespero, a respeito da representações, pensamentos e opiniões pretensamente naturais”[10].

Este é um ponto central. Podemos dizer que se trata aqui de insistir que o pensar especulativo procura apropriar-se do trabalho do negativo em operação no ceticismo, isto a ponto de insistir que a dialética deve internalizar o ceticismo como seu momento inicial. Hegel chegará mesmo a dizer que: “o verdadeiro conhecimento da Idéia é esta negatividade que se encontra em casa no ceticismo”[11]. A dialética como resposta da consciência filosófica ao ceticismo.

Ceticismo

         Antes de iniciarmos, vale a pena lembrar que Hegel distingue ceticismo moderno (representado principalmente por Schulze e, em certa medida, Maimon) e o ceticismo antigo. Para Hegel, o ceticismo moderno seria uma postura que vê como verdadeiro apenas o ser sensível, aquilo que a consciência sensível nos entrega, duvidando de todo o mais. Isto implica em deixar com que a realidade da empiria subsista intacta e indubitável. Neste sentido, seu “positivismo” não poderia estar mais distante do pensamento especulativo. Já o ceticismo antigo, ao insistir nas contradições necessárias e irrefutáveis que nos deparamos ao procurar falar sobre a essência do que aparece, opera uma crítica da finitude fundamental para a dialética.

         Hegel sabe muito bem que o ceticismo antigo não consiste em afirmar a mera irrealidade do acontecimento. Por exemplo, ao afirmar que o conceito de movimento é contraditório, o cético não pode ser refutado  partir do momento em que começamos a andar. Para Hegel, o que o ceticismo nega é a determinação essencial da significação do acontecimento, o que não quer dizer que nossas representações mentais não tenham realidade objetiva para nós neste momento e sob condições determinadas de percepção.  “Digo que as coisas me aparecem e que eu suspendo o juízo sobre a sua significação”, dirá o cético a partir de suas operações de epokhé. Lembremos do que diz Lebrun, o ceticismo: “de demora diante da significação das palavras utilizadas, isto ao invés de ir diretamente ao encontro do que elas designam, ele se coloca no ponto de união do dizer e do dito”[12].

         Para Hegel, isto implica necessariamente no reconhecimento das contradições que nos enredamos ao nos aferrarmos às representações finitas da linguagem do entendimento. Neste sentido, ceticismo significa demorar-se diante das palavras, dicotomias e relações que apareciam à consciência natural como claramente fundamentadas em sua significação. Se o cético pode afirmar: “Uma teoria por momentos nos seduz e nos parece persuasiva? Um pouco de investigação serena logo nos faz encontrar argumentos que a contradigam com não menos persuasividade”[13] é porque se trata de mostrar que a determinação finita que compreende o pensar como conjunto de teses não pode deixar de mostrar seu caráter vacilante e inseguro. “Todas as representações da verdade se encontram expostas a que se demonstre seu caráter finito, já que todas contêm uma negação é, portanto, uma contradição”[14]. Lembremos desta idéia central de Hegel, o dogmatismo consiste em afirmar como verdadeiro um conteúdo determinado e, com isto, absolutizar o finito. Neste sentido, a crítica cética só pode ser bem vinda a um pensamento dialético, principalmente se pensarmos em dois de seus tropos principais: a regressão ao infinito e a hipótese. O primeiro consiste em considerar que a prova a que o dogmático quiser recorrer, remete a uma outra prova, e assim ao infinito. O segundo diz respeito à tentativa dogmática de parar a regressão ao infinito através da posição  de proposições com valor de axiomas; axiomas contra os quais os céticos irão desvelar o caráter de mero pressuposto. Hegel compreende estes dois tropos como argumentos fortes contra a estrutura dedutiva do entendimento.

         No entanto, Hegel levanta duas críticas ao ceticismo antigo. Primeiro, ele vê o ceticismo como uma certa figura da filosofia da subjetividade que, para além da epokhé em relação a determinação essencial de todo fenômeno, assenta-se na segurança da certeza da consciência de si. Esta crítica pode ser problematizada, mas aquela que realmente nos interessa é outra.

Hegel insiste que a crítica às representações finitas do entendimento só pode produzir uma suspensão cética do juízo porque o ceticismo continua aferrado à gramática filosófica que ele critica. Ao compreender a contradição como resultado da tentativa do pensar em dar conta do mundo fenomênico, ela só vê a contradição como puro nada, tal como duas proposições contraditórias sobre o mesmo objeto resultariam necessariamente em um objeto vazio sem conceito ou ainda um  conceito que se contradiz em si mesmo (nihil negativum). O ceticismo está certo em ver na fenomenalidade o espaço da contradição, e com isto nos levar ao desespero em relação a representações, pensamento e opiniões pretensamente naturais, mas está errado na sua maneira de compreender o valor da contradição.

Neste sentido, Hegel deverá insistir que “a apresentação da consciência não verdadeira em sua inverdade não é um movimento puramente negativo” pois

O ceticismo que termina com a abstração do nada ou do esvaziamento não pode ir além disso, mas tem de esperar que algo de novo se lhe apresente – e que novo seja esse – para joga-lo no abismo vazio. Porém quando o resultado é apreendido como é em verdade – como negação determinada – é que então já surgiu uma nova forma imediatamente, e se abriu na negação a passagem pela qual, através da série completa das figuras [da consciência], o processo se produz por si mesmo[15].

Anteriormente, Hegel havia dito que o ceticismo diferencia-se do especulativo porque este último é capaz de compreender o nada como algo determinado e que tem um conteúdo. Mas o que poderia significar uma negação determinada ou um nada determinado?

Percebemos que este conceito é importante no interior da economia do nosso texto. Hegel havia dito que o caminho da consciência em direção à realização do saber é um caminho do desespero, pois deve dissolver não só as imagens do mundo da consciência, mas também indicar a fragilização da certeza de si e, fundamentalmente, dos modos de orientação do pensar. Neste sentido, o caminho do saber foi comparado a um ceticismo que demonstra a instabilidade das determinações finitas do saber. No entanto, o ceticismo para lá onde deveria continuar, já que ele vê a contradição resultante da experiência fenomênica da consciência, contradição resultante da tentativa da consciência natural em não ser apenas conceito de saber, mas saber realizado, como figura do puro nada. Para Hegel, resta ao ceticismo apenas o retorno em direção à certeza da consciência de si. Mas à consciência que procurar apreender fenomenalmente o saber, resta compreender a contradição como uma negação determinada.

Mas o que é exatamente esta negação determinada que permite a passagem da série completa das figuras da consciência a partir da sua própria auto-produção?

Negação determinada

Antes de abordarmos diretamente esta questão, vale a pena configurar melhor o uso que Hegel procura fazer desta noção: negação determinada. Logo após afirmar que a negação determinada é exatamente este movimento interno de passagem de uma figura do saber fenomenal a outra (o que poderia ser dito de outra maneira, a saber, a negação determinada é o que estabelece o regime de relação de um objeto da experiência a outro – ela é esta operação que constrói processos de relação na experiência, e não deduções de relações), Hegel lembra que esta passagem deve nos levar necessariamente a uma meta (Ziel). “A meta está ali onde o saber não necessita ir além de si mesmo, onde a si mesmo se encontra, onde o conceito corresponde (entspricht) ao objeto e o objeto ao conceito”[16]. Ou seja, a negação determinada é este modo de estruturar relações entre objetos, a partir de processos, que permite a realização da correspondência final entre conceito e objeto. Isto só é possível porque se trata de afirmar que a negação determinada é modo de estruturar relações entre objetos a partir da dinâmica do conceito. O conceito, em Hegel, não é aquilo que submete o diverso da intuição sob a forma de uma representação genérica. Antes, ele é estrutura de relações pensadas a partir da negação determinada.

Este vocabulário da correspondência pode parecer estranho. Afinal, é o pensar representativo que compreende a relação entre objeto e conceito a partir da correspondência, da adequatio entre minhas imagens mentais e estados de coisas independentes. Por que Hegel recorre aqui ao vocabulário da correspondência?

Vejamos o que mais Hegel diz parágrafo 80. Ele lembra que o processo em direção à tal correspondência não pode ser detido. Pois:

a consciência é para si mesma seu conceito, por isso é imediatamente o ir-além do limitado e – já que este limite lhe pertence – é o ir além de si mesma (…) Essa violência que a consciência sofre – de se lhe estragar toda satisfação limitada – vem dela mesma[17].

         Notamos que este “a consciência é para si mesma seu conceito” não tem o mesmo sentido do anterior “a consciência natural é apenas conceito de saber”. Agora, conceito significa: “o aparecer a si mesmo da consciência em sua verdade”[18]. O que antes era “apenas conceito”, agora pode se afirmar como o que guia a experiência em direção à meta. Este conceito é o que leva a consciência a suportar a violência que estraga sua satisfação limitada, violência que anteriormente chamamos de desespero. Mas se a violência vem dela mesma (e não simplesmente do objeto que resiste ao conceito) é também porque “o que parece ocorrer fora dela – ser uma atividade dirigida contra ela – é o seu próprio agir”[19]. Isto pode significar duas coisas distintas: a consciência está diante de um objeto que seu próprio saber criou, neste sentido, a violência da tentativa de fazer corresponder o conceito ao objeto é algo que se passa no interior da própria consciência, isto na melhor tradição de um idealismo subjetivista. Ou podemos dizer: o conceito já traz em si uma negatividade simétrica àquela que a consciência encontra ao compreender que seu saber natural não corresponde ao objeto. A negatividade própria à confrontação entre conceito e objeto já deve ser interna aos modos de estruturação do conceito. Esta é a segunda parte da proposição exposta na aula passada a respeito do holismo semântico de Hegel, ou seja, esta idéia de que a compreensão das relações é condição suficiente para a compreensão do conteúdo da experiência. Esta proposição só é possível à condição de compreendermos as relações como processos que se estruturam a partir de negações determinadas.

Nós avaliaremos melhor o modo de funcionamento desta hipótese na próxima aula, quando terminarmos a leitura da Introdução. Por enquanto, gostaria de terminar esta aula tecendo algumas considerações sobre esta noção tão central para a compreensão da filosofia hegeliana: a negação determinada.

Quando Hegel fala de negação determinada ele faz sempre alusão e uma negação que, de uma certa, conserva aquilo que nega, tal como em uma operação de Aufhebung.  Ou seja, a negação não aparece aqui simplesmente como figura da privação (nihil privativum), da falta, do vazio ou do nada. A negação determinada é um modo relacional de passagem de um termo a outro. Neste sentido, aquilo que é negado deve ficar pressuposto no interior de uma relação.

Lembremos que colocar termos em relação implica em admitir posições de oposição e de exclusão. Assim, por exemplo, na proposição “o individual não é o Universal”, a negação aparece como operação que permite ao sujeito gramatical estabelecer seu limite e sua identidade através da oposição ao predicado, ou ainda, através de incompatibilidade matterial. Hegel pensa nestas operações quando afirma que: “a determinidade é essencialmente o limite, e tem o seu ser-outro como fundamento”[20]. A determinidade é essencialmente o limite porque as individuações de termos são fundamentalmente relações de oposição. É assim que Hegel compreende o princípio medieval (e spinozista) omnis determination est negatio.

Mas notemos que podemos simplesmente afirmar que negações opositivas pressupõem relações de incompatibilidade material que trazem conseqüentemente modalidades de individuação de termos. A individuação de um termo sempre pressupõe virtualmente uma rede de relações opositivas que operam mediações na determinação da identidade dos termos. Uma estrutura de negações opositivas faz a mediação entre termos.

Aqui pode parecer que estaríamos caminhando para uma conclusão relativamente trivial, ou seja, a negação determinada hegeliana seria apenas uma espécie de negação opositiva por ser negação que opera a estruturação de relações através de incompatibilidades materiais. No entanto, nada mais errado, e isto não explicaria como relações internas ao conceito podem dar conta da negatividade própria à confrontação entre conceito e objeto.

Aqui começa a teoria dialética das negações, motor central do pensamento hegeliano. Pois a negação determinada tem uma diferença fundamental em relação à oposição: ela não é expulsão para fora de si do oposto na determinação da identidade. Mas para compreender este ponto de maneira adequada precisamos analisar calmamente a maneira com que Hegel estabelece diferenças entre a negação determinada e a oposição (que ele chama várias vezes de negação abstrata ou negação simples). Esta distinção, que nos obrigará a entre em um momento central do debate entre Kant e Hegel a respeito da teoria das negações, será o objeto da nossa próxima aula.


[1] HEGEL, Glauben und Wissen,

[2] HEGEL, Lições sobre a história da filosofia – o ceticismo

[3] HEGEL, Fenomenologia, par. 78

[4] HEGEL, idem

[5] DESCARTES, Meditação primeira

[6] HEGEL, Lições sobre a história da filosofia – Descartes

[7] HEGEL, Fenomenologia, par. 78

[8] HEGEL, Fenomenologia, par. 78

[9] HEGEL. Fenomenologia, par. 80

[10] HEGEL, Fenomenologia, par. 78

[11] HEGEL, Lições sobre a história da filosofia – o ceticismo

[12] LEBRUN, La patience du concept, p. 232

[13] PORCHAT, Vida comum e ceticismo, p. 168

[14] HEGEL, Lições sobre a história da filosofia – o ceticismo

[15] HEGEL, Fenomenologia, par. 79

[16] HEGEL, Fenomenologia, par. 80

[17] HEGEL, Fenomenologia, par. 80

[18] HEIDEGGER, Hegel e seu conceito de experiência

[19] HEGEL, Fenomenologia, par. 37

[20] HEGEL, Ciência da lógica I, p. 111

2 comentários em “Vladimir Safatle – Aula 5/30 – ‘Fenomenologia do Espirito’, de Hegel

  1. [...] ____________ Aula 5 sobre a ‘Introdução’ da Fenomenologia do Espírito, disponível aqui [...]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s